Férias começam com muita música para 350 crianças e adolescentes de todo o Brasil no Unasp-SP

Tamanho da LetraA+A-

 

A primeira semana das férias escolares no Unasp campus São Paulo trouxe oportunidade única para crianças e adolescentes de 10 a 17 anos de idade. Entre os dias 2 e 8 do mês de julho aconteceu a 6ª edição do Munasp, o Festival Internacional de Música que acontece no Unasp. Cerca de 350 alunos vieram de várias partes do Brasil para estudar música com alguns dos melhores professores de carreira internacional.

O festival proporciona conhecimento musical de forma intensiva. De manhã acontecem os ensaios das orquestras que se apresentarão no encerramento do festival, às tardes são dedicadas às másters classes para cada instrumento musical e as noites os participantes têm a oportunidade de prestigiar concertos especiais apresentados pelos professores.

Por ser gratuito, o festival atende a estudantes de música que não teriam facilmente o mesmo acesso por outros meios. Nesta edição, o Munasp atendeu a estudantes de todos os instrumentos de uma orquestra e incluiu harpa e piano.

Isadora Ferreira Aguiar tem apenas onze anos e viajou de Natal, capital do Rio Grande do Norte, para São Paulo com o objetivo de aperfeiçoar a prática em seu instrumento preferido, o piano. “Me sinto muito orgulhosa em ter feito parte deste Munasp, pois teve várias crianças de diversos locais participando. Sem contar ainda a grande quantidade de professores especialistas que estão ajudando no meu crescimento acadêmico”, disse.

A família é uma das mais importantes incentivadoras do talento musical de uma criança ou de um adolescente. Priscila Melo é uma das muitas mães e dos muitos pais que trazem os filhos para o Munasp desde a primiera edição. "Quando os meus filhos vieram ao Munasp pela primeira vez, eles estavam começando no violino e eu achei que foi excelente para eles pegarem gosto pelo instrumento e verem que podem tocar em grupo e que pode ser uma coisa muito legal. Isso incentivou eles a estudarem cada vez mais. Então, eu trago eles todos os anos", descreveu a mãe. 

O festival não atrai apenas crianças e adolescentes, mas a cada edição recebe estudantes universitários ou que estão em algum nível de pós-graduação como mestrandos em diferentes instrumentos e seguimentos musicais. Isto se dá porque estudantes ou profissionais maiores de 18 anos podem participar do Munasp se inscrevendo como monitores das aulas de instrumentos. Em grande parte atraídos pela oportunidade de trocar experiências com profissionais cuja atuação ultrapassa as fronteiras do Brasil.

“É uma experiência muito gratificante porque as vezes eu dou aula em escolas para alunos regulares o que é um pouco diferente por trabalhar com o aluno por um período muito grande. Aqui é um pouco desafiador ao pegar um aluno que não está acostumado com o jeito como ensino e tentar mudar a vida dele em uma semana. Passamos muita informação para eles ficarem pensando e conseguirem evoluir por um período muito maior”, descreveu Ricardo Barbosa, professor de oboé.

Neste ano, a programação recebeu um nome especial. Munasp, Cleide Borba de Oliveira, em homenagem a memória da idealizadora e fundadora do Munasp e diretora administrativa do festival em suas cinco edições anteriores. Cleide, faleceu poucas semanas antes da 6ª edição do Munasp por consequência das complicações do câncer que enfrentava. 

"A sexta edição é um coração aberto para o trabalho que foi feito em conjunto com a Cleide Borba que foi a nossa diretora administrativa de todas as edições anterirores do festival e foi com ela que nós criamos o Munasp. Então, este ano, devido a toda a luta que ela teve com o câncer, nós tivemos agora a perda da Cleide, mas nós temos a continuidade do seu trabalho que você pode conferir em nosso site munasp.com.br", expressou o diretor artístico do festival, maestro Jean Reis. 

O sonho da professora e musicista Cleide era ver o festival crescendo em representatividade e abrangência para que cada vez mais crianças e adolescentes fossem influenciadas positivamente através da música. Desde que teve início em 2012, por ocasião da primeira edição, o Munasp tem aperfeiçoado a competência musical de instrumentistas tanto para atuação profissional quanto para melhor contribuir com o ministério musical na Igreja Adventista ao mesmo tempo em que cumpre significativo papel social.

O esforço e dedicação da professora Cleide foi fundamental para a consolidação da iniciativa do festival no calendário do Unasp-SP. “O Munasp era o projeto em que ela mais gostava de realizar porque sempre envolvia a missão dela de trabalhar para a igreja e beneficiar as crianças. Para ela, esse era o objetivo principal do Munasp”, ressaltou a coordenadora administrativa do 6º Munasp, Emily Bertazzo. 


Por Glória Barreto e Tainá Macedo