Literatura transformou a vida de futuro universitário

Tamanho da LetraA+A-

Lucas Mendonça, 22, não acreditava em Deus. Na altura dos seus 18 anos, buscava por seus objetivos particulares. Estava alheio e indiferente ao o que a Bíblia diz e tampouco interessado no cristianismo. Porém, ele não fazia ideia de que o livro do qual havia rejeitado em 2012 seria a leitura que mudaria a sua vida por completo.

Naquele ano, adventistas de 8 países do continente sul americano saíram as ruas distribuindo o livro A Grande Esperança. Nada menos do que uma edição especial do best-seller O Grande Conflito, escrito pela autora adventista, Ellen White. Em 2012 o Impacto Esperança, nome que é dado a esta iniciativa, aconteceu no dia 24 de março. A poucos quilômetros da casa de Lucas, o presidente mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia, pastor Ted Wilson, pregava no templo do Unasp campus São Paulo encorajando os jovens, desbravadores, universitários e membros daquela comunidade antes de saírem às ruas na missão de espalhar 90 mil exemplares desta literatura entre moradores de comunidades e bairros na Zona Sul de São Paulo.

Mendonça lembra que recebeu o livro enquanto trabalhava no sábado em uma loja de informática e games localizada no Jardim São Luís. “Recebi o livro e o ignorei. No ano seguinte recebi novamente um livro igual e decidi ler”, conta.

Foram necessárias poucas páginas para que o jovem notasse algo que o transformaria. “Eu senti que eu precisava ler aquele livro. Eu li poucas páginas. Na sexta página, se não me engano, eu já consegui entender que Deus existe e o redentor vive em mim. Eu terminei estre livro, comecei a estudar mais e hoje eu sou membro batizado e creio nesta mensagem maravilhosa que é a esperança”, narrou.

Comprometido com o Clube de Desbravadores e ministério jovem, ele saiu às ruas neste último sábado, 27 de maio, para entregar exemplares do livro “Em Busca de Esperança”. Mais um título assinado pela escritora adventista, Ellen White.

No mesmo dia, centenas de estudantes do Centro Universitário Adventista de São Paulo, saíram as ruas da capital e do interior do estado com a responsabilidade de presentear a população com a leitura que traz uma versão adaptada de A História da Redenção.

Em Hortolândia, iniciativas já praticadas por alunos e comunidade do campus, como doação de sangue e o projeto Anjos Urbanos, foram oferecidas para tornar a ação ainda mais relevante. As cidades de Hortolândia, Indaiatuba e Campinas foram as cidades beneficiadas neste dia.

No Unasp-SP, os estudantes presentearam os moradores da comunidade Olga Benário com o livro do ano. O local que já tem recebido a atenção dos universitários, concentra uma população que enfrenta diversas dificuldades sociais. “Há saída para os problemas dessas pessoas. Nós como cristãos temos a responsabilidade de lhes dar essa notícia”, enfatizou José Nilton de Lima, professor de Ensino Religioso que liderou a atividade dos alunos na comunidade.

Na mesma tarde deste sábado os pedestres que embarcavam e desembarcavam nos principais terminais de ônibus e estações de metrô da região, foram surpreendidos com a mensagem de esperança.

Dentre os pedestres que passavam pelo Terminal João Dias, estava Dileone de Jesus. Caminhando devagarinho, a aposentada aguardava o ônibus para ir para casa quando viu uma movimentação diferente. Eram jovens que entregavam livros. “Já que parecia de graça, e de graça a gente não ganha nada mesmo, quis pegar um exemplar”, contou. Quem deu o presente foi o estudante Cristiano Santos. Dileone abriu um sorriso ao ler o título na capa do livro. “Eu não tinha esperança de que as coisas pudessem mudar. A gente passa por tantas tragédias que nem acredita em dias melhores”, confessou a senhora.

Em todas as suas unidades e reitoria, o Unasp distribuiu cerca de 74 mil exemplares do livro Em Busca de Esperança. O esforço do Centro Universitário no dia em que o Impacto Esperança comemorou 10 anos, poderá proporcionar em diversas pessoas experiências semeslhantes a que mudou a realidade de Lucas. O jovem que há poucos anos não tinha muita noção de como seria o seu futuro, hoje sabe, inclusive, onde e o que estudar.

“No momento eu vou estudar Ciência da Computação. Depois, pretendo estar bem financeiramente, queira Deus que sim, eu vou fazer Teologia para poder pregar mais a mensagem”, ressaltou o rapaz que se prepara para concorrer ao vestibular de inverno do Unasp.

Por Murilo Pereira, Julie Grüdtner, Kennedy Nunes e Mairon Hothon.