Dia D da Fisioterapia leva saúde para moradores de Embu das Artes

Tamanho da LetraA+A-

A manhã ensolarada e quente do último domingo, dia 27 de agosto, estava ideal para ir à feira, fazer uma caminhada e preparar aquele almoço especial. Mas quem passou pela Praça do Ginásio Poliesportivo Dom José, entre as ruas Lorena e Lins, no Jardim Eduardo, em Embu das Artes, pode aproveitar o dia de uma forma ainda melhor.

É que neste dia os estudantes e os professores do curso de Fisioterapia do Unasp, acompanhados por profissionais da Policlínica Universitária e do Hospital Adventista de São Paulo, realizaram o Dia D da Fisioterapia.

Com o tema “O que a Fisioterapia pode Fazer Por Você”, a iniciativa idealizada pelo Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional de São Paulo - Crefito-3, teve o objetivo de servir a comunidade e promover a Fisioterapia. “O objetivo é atender as necessidades da população e apresentar a elas a importância da atuação do profissional fisioterapeuta”, explicou o doutor Abrahão Quadros, organizador desta ação e coordenador do curso de Fisioterapia do Unasp-SP.

Quem chegava a praça já era recebido com sorrisos e abraços pelos Fisios da Alegria. Com rostos coloridos, doces e brincadeiras, eles atendiam as crianças enquanto seus pais e demais adultos aproveitavam os serviços oferecidos ali, como, por exemplo, aferição de pressão arterial, massagem, avaliação postural, orientação para a prevenção de AVC e exame de capacidade pulmonar, espirometria. Além desses serviços, os moradores que se queixaram de dores nas costas foram atendidos por um quiropraxista.

“A comunidade muitas vezes tem dúvidas sobre o que é a Fisioterapia, mas procura serviços que é de competência desta profissão disponibilizar para a sociedade. Por isso então que viemos divulgar o curso e também informar sobre algumas doenças, explicar o fator de risco e ajudar a evitá-las, como é o caso do AVC. Eventos como esses são muito importantes porque trazem conhecimento para a comunidade”, considerou o estudante Walber Sampaio que é graduando do curso.

Enquanto Walber esclarecia e tirava as dúvidas das pessoas sobre AVC, Eduarda Miguel que está no primeiro ano do curso e fez parte da equipe que atendeu as crianças, apreciou a oportunidade em aprender diferentes técnicas e sentir o beneficio que pode transmitier as pessoas através da profissão. “Eu acho que é muito importante para o nosso currículo termos ações sociais com a comunidade e com as pessoas em geral. Dá muito mais vontade de ser fisioterapeuta porque lidar com pessoas diferentes, com problemas diferentes e com dores diferentes é saber que você pode ajudar não só na parte de dor física, mas no emocional também”, descreveu a jovem.

Morador do bairro há cerca de 40 anos, Antônio dos Santos aproveitou a oportunidade de encontrar orientação de saúde. “Eu só fiquei chateado por que a moça me falou que o pulmão por causa da fumaça do cigarro já não tem tanta força, né? E ela falou que eu vou ter que deixar de fumar. E eu falei para ela: Deus te ouça, eu pretendo parar de fumar”, expressou.

A ação teve o apoio da Prefeitura Municipal de Embu das Artes e da vereadora Elisabete Alves Carvalho. O Dia D da Fisioterapia também aconteceu em diferentes regiões da grande São Paulo e em diversas cidades do estado.

Por Murilo Pereira